Teologia pratica: Análise e contextos

Teologia pratica: Análise e contextos

Prof. Dr. Cicero Bezerra

 

Resumo: A teologia prática desponta nos tempos modernos como uma alternativa de leitura e dialogo com outras ciências, levando em conta que a principal contribuição da teologia pratica e o diálogo com outras ciências, destacando sua contribuição para essa sociedade plural, pode-se dizer que a partir dos eixos de análise propostos pela teologia prática as análises e entendimentos da teologia clássica se tornam mais efetivas.

Palavras Chaves: Teologia, Prática, Contexto, Relevância.

 

Introdução

 

Os principais eixos da teologia prática como base para se chegar a uma definição. A Teologia pratica oferece um instrumental teórico para analises teológicas, pode se dizer que é a teologia a serviço da igreja, reconhecendo o rigor acadêmico na prática porem fundamentado na ciência, alguns chegam a dizer que deve ser conceituada como práxis teologia, ou por assim dizer reflexão e prática. Também pode citar-se a capacidade interdisciplinar da teologia prática ou um aspecto do fazer teológico que oferece subsídios para a ação.

A Teologia Prática é a interlocutora especial das práticas pastorais desenvolvidas entre o povo de Deus. Estas práticas precisam da análise e da reflexão teológica a fim de que se possa resistir as críticas intermitentes de que são alvo, tais como a espontaneidade e as vezes a falta de rigor metodológico, frutos de um déficit de reflexão teológica.

 

Origens

 

Desde o seu berço a Teologia Prática é uma disciplina controvertida. O seu nascimento como disciplina teológica com assento nas faculdades de Teologia deu-se mais por um ato de negligência, quase por um descuido, do que propriamente como fruto de um desejo consensual de seus genitores. Para me fazer entender melhor, preciso retroceder um pouco na história. Estamos na Alemanha, nos inícios do século XIX.

A teologia tem assento nas universidades como uma das cadeiras que disputam o interesse dos estudantes. Imbuída do espírito iluminista predominante na época, a teologia se esforça por atestar a sua legitimidade como ciência. Nesse afã, torna-se vítima de um academicismo estéril e se afasta da vida da Igreja.

Não há uma relação sadia entre a teoria teológica ensinada na universidade e a prática do ministério pastoral e a vida de fé dos membros da Igreja na base. Surge a necessidade de criar-se uma disciplina teológica capaz de estabelecer uma relação adequada entre a teologia acadêmica e a prática da fé. E é precisamente com esse propósito que se institui a Teologia Prática como uma nova disciplina no currículo do estudo de Teologia, ao lado da exegese, da história e da dogmática.

Não deixa de ser irônico que Friedrich Schleiermacher, o “pai da Teologia Prática”, a quem Karl Barth considera um dos maiores, senão o maior teólogo do século XIX, incumbido de implantar a nova disciplina na Faculdade de Teologia da Universidade de Berlim, em 1810, se refira à mesma nos seguintes termos: “Para dizer logo minha opinião sobre o assunto, acho que a criação de uma cadeira própria de Teologia Prática não é desejável. Melhor seria se esta função fosse assumida paralelamente pelos professores encarregados de se ocupar com as disciplinas teóricas das diversas cadeiras universitárias.

A teologia prática é imprescindível para desenvolver um diálogo de análise e contexto com outras ciências, esse fator é fundamental para que os postulados teológicos possam ser desenvolvidos com clareza e apresentem alternativas, como é mister para o tema da teologia prática.

 

Fundamentos da teologia prática

 A teologia que tem Jesus Cristo como fundamento precisa necessariamente ser prática, pois ela resulta do seguimento da sua cruz. Fé cristã não se limita à contemplação ou ao ato de assentir a um sistema de verdades reveladas, mas consiste em se envolver com Jesus, sua palavra e ação e em segui-lo em sua trajetória de cruz e sofrimento. Toda teologia é essencialmente teologia da cruz. E como tal só poderá ser teologia prática

O mérito desta concepção de Teologia Prática de Schleiermacher reside no fato de se ter restabelecido a relação entre teologia e Igreja e, por extensão, entre teoria e prática. O problema consiste em ter aberto o caminho para que a Teologia Prática fosse cooptada pela hierarquia eclesiástica e, por conseguinte, exposta ao risco de ficar atrelada à mesma. Fica a pergunta: este não foi um preço muito alto pago por uma disciplina que ele mesmo pretendia que fosse a “coroa da teologia”

Num primeiro passo a Teologia Prática deve buscar o seu lugar específico no diálogo com as demais disciplinas teológicas. Isso porque a teologia é uma totalidade indivisível. Como diz R. Bohren, “em cada disciplina esta totalidade indivisível precisa tomar-se transparente. Cada disciplina só pode realizar de forma legítima o seu trabalho específico no horizonte dessa unidade da teologia.”

Poderia a Teologia da Libertação representar um avanço para a teologia Prática na sua procura por uma identidade própria? O teólogo europeu Johann Baptist Metz reconhece que essa teologia provocou a perda de três eixos decorrentes  da teologia europeia: a) porque rompeu com o eixo social e histórica; b) porque tirou a inocência do monocentrismo cultural centro-europeu e instituiu o Terceiro Mundo como um lugar hermenêutico válido para a teologia; e c) porque acabou com a sua irrelevância a respeito do pobre.

Como já foi dito acima, a Teologia Prática só encontra o seu lugar específico como disciplina teológica numa relação dinâmica com as demais disciplinas teológicas. De minha parte, entendo que a tarefa específica da Teologia Prática seja lembrar as demais disciplinas da vocação prática de toda teologia. Dentro desse pressuposto, imagino que a Teologia Prática tenha uma dupla tarefa:

Ela é premissa de todo fazer teológico na medida em que mantém as antenas voltadas para o mundo e coleta os temas atuais e os desafios que requerem um posicionamento por parte da teologia e da Igreja

A Teologia Prática pergunta em que medida se alcança a finalidade última da teologia, a saber, a de se tomar prática responsável e eficaz da fé cristã. Teologia que não se destina à transformação do mundo e da própria Igreja perde sua vinculação com o evangelho transformador e questionador de Jesus Cristo. Ela se torna uma ciência estéril. A Teologia Prática contribui para salvaguardar a relevância da teologia e da atuação da Igreja para a atualidade.

 

Conclusão

 

A função específica da Teologia Prática como consciência crítica da Igreja e da própria teologia no sentido de lembrá-las da sua finalidade última: a prática eficaz da fé. O compromisso da Teologia Prática é comprometer a teologia e a Igreja com a prática. A Teologia Prática só cumpre essa função se estiver permanentemente sintonizada com as necessidades e os anseios do mundo de hoje. Eis por que ela reflete criticamente sobre a vida e a ação da Igreja diante dos desafios e das condições sócio históricas do tempo atual. 

PASSOS PARA PESQUISA EM TP:

  • Perceber a realidade da prática existente
  • Analisar a própria experiência
  • Analisar a experiência dos envolvidos
  • Formular perguntas
  • Estudo das fontes bíblicas e confessionais • Estudo de textos das ciências humanas • Diálogo entre Teologia e Ciências humanas • Proposta

 

“A tarefa  da Teologia Prática é descrever, analisar, interpretar e propor ação com a meta de contribuir para a vinda do Reino de Deus ou para a formação da Mente de Cristo.” (FARRIS, p.68)

 

Bibliografia

ANTONIAZZI, Alberto. Planejamento Pastoral; Reflexões Críticas. Perspectiva Tèológica, Belo Horizonte, 101-112, 1989.

BARTH, Karl. Die Protestantische Theologie im 19. Jahrhundert. Zürich, EVZ, 1947.

BOFF, Clodovis. Teologia e Prática; Teologia do Político e Suas Mediações. Petrópolis, Vozes, 1978.

BOHREN, Rudolf. Praktische Theologie. In: KRAUSE, Gerhard, ed. Praktische Theologie Darmstadt, Wissenschaftliche Buchgesellschaft, 1972.

FARRIS, James. O que é Teologia Prática? Revista Caminhando.v.6, n.1, 2001.

HOCH, Lothar Carlos. O lugar da Teologia Prática como disciplina teológica. In.: Teologia Prática no contexto da América Latina.

SCHNEIDER-HARPPRECHT, Christoph. Aspecto históricos e concepções contemporâneas da Teologia Prática. In.: Teologia Prática no contexto da América Latina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *